Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
EN PT
banner fnaciencia2.JPG

 Tertúlias FNACiência

Ciclo de Tertúlias organizado pela Escola de Ciências da Universidade do Minho em parceria com a FNAC Braga e FNAC Guimarães, com o objetivo de divulgar, de forma acessível e assertiva, temas atuais dos vários campos das ciências naturais.
 
Livro "conversas com ciência - Tertúlias FNACiência" »»
Compilação de textos decorrentes do primeiro ciclo de Tertúlias FNACiência, organizadas pela Escola de Ciências da UMinho em parceria com a FNAC de Braga.
Apresentação a cargo de Paula Nogueira, moderadora das tertúlias, com a presença de alguns dos autores do livro.
 
Dia 21 de maio de 2015, 21h30, FNAC Braga
"Química: ciência e tecnologia da transformação"
Intervenientes: Manuel Sá Barros, (LMA, Diretor Executivo).
Moderação por: Carlos J. R. Silva (Departamento de Química da Escola de Ciências da Universidade do Minho).
Resumo:
É inegável que a Química é uma das ciências que mais contribuiu para o assinalável ganho da qualidade de vida que a humanidade registou no último século.
A emergência de outras áreas da ciência e da tecnologia, muitas das quais relacionadas com a Química, relegou, perante a opinião pública, o seu impacto social e económico. Realça-se a importância da Química no desenvolvimento de novos materiais assim como dos métodos de caracterização e análise exigidos para os mais diferentes fins.
 
Dia 19 de março de 2015, 21h30, FNAC Braga
"Energia e desenvolvimento: das necessidades energéticas aos problemas ambientais"
Intervenientes: Senentxu Lanceros-Méndez (Departamento de Física da Escola de Ciências da Universidade do Minho).
Moderação por: José António Santos (Departamento de Física da Escola de Ciências da Universidade do Minho).
Resumo:
Energia e Ambiente são dois conceitos, muitas vezes contrapostos, que aparecem insistentemente no nosso quotidiano, mas relacionados entre si e com outros aspetos da nossa sociedade.
São também duas problemáticas que, simultaneamente, terão de ser resolvidas neste novo século, de forma a permitir uma vida sustentável.
Nesta Tertúlia, será dada uma visão sobre a sua relevância e interrelação; sobre o passado, o presente... e os desafios para um futuro sustentável.
 
Dia 19 de fevereiro de 2015, 21h30, FNAC Braga
"E o Douro aqui tão perto - Investigação e ciência em viticultura"
Intervenientes: José Moutinho Pereira (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro), Carlos Correia (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro) e Hernâni Gerós (Departamento de Biologia da Escola de Ciências da Universidade do Minho).
Moderação por: Ana Cunha (Departamento de Biologia da Escola de Ciências da Universidade do Minho).
Resumo:
A região demarcada do Douro para a produção vinícola é a mais antiga do mundo. As montanhas do Douro vinhateiro foram esculpidas pelo homem. A UNESCO elevou o Alto Douro Vinhateiro a Património da Humanidade, pela sua riqueza paisagística e cultural. Mas que segredos guarda ainda o Douro vinhateiro e qual o seu futuro? Qual o papel da Investigação Científica e da interação da Universidade com os produtores para a solução de alguns problemas graves emergentes, nomeadamente os relacionados com as variações climáticas em curso?
 
Dia 15 de janeiro de 2015, 21h30, FNAC Braga
"Microrganismos resistentes: descoberta de novos antibióticos - um desafio para os Químicos Medicinais"
Intervenientes: Alexandre Carvalho (Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho, Hospital de Braga) e Maria Alice Carvalho (Departamento de Química da Escola de Ciências da Universidade do Minho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Nas últimas décadas, infeções provocadas por microrganismos têm sido uma ameaça constante à saúde pública. Apesar de existirem antibióticos, o tratamento dos doentes nem sempre é efetivo. Muitos dos microrganismos que provocam as doenças tornaram-se resistentes aos antibióticos existentes e o tratamento ficou comprometido.
Existe atualmente uma necessidade urgente em descobrir novos antibióticos capazes de combater estes microrganismos resistentes e oferecer uma possibilidade de tratamento eficaz.
Nesta tertúlia serão abordados aspetos relacionados com o aparecimento de resistência dos microrganismos aos antibióticos existentes e o contributo que os químicos medicinais poderão dar (descoberta de novos antibióticos) para a resolução do problema.
 
Dia 20 de novembro de 2014, 21h30, FNAC Braga
"Matemática: ferramenta universal para ter êxito"
Intervenientes: Gueorgui Smirnov (Departamento de Matemática e Aplicações da Escola de Ciências da UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Falaremos da minha experiência pessoal sobre investigação em matemática e suas aplicações.
Veremos como a matemática pode ajudar a resolver problemas em áreas tão diferentes como a dinâmica dos satélites, o controlo do nível de água nas barragens, a cirurgia plástica e outras.
 
Dia 16 de outubro de 2014, 21h30, FNAC Braga
"O Olho em Ação: da Perceção ao Treino de Decisão"
Intervenientes: António Baptista (Departamento de Física, Escola de Ciências da Universidade do Minho) e Cunha Antunes (Presidente do Conselho de Arbitragem da Associação de Futebol de Braga).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Atualmente, com equipas altamente competitivas e os jogos com diferenças de resultados mínimas, os árbitros são cruciais para garantir a verdade desportiva e o futebol espetáculo. O árbitro toma mais de 200 decisões por jogo, sendo estas baseadas em informação eminentemente visual. Assim, a visão é um fator crucial na arbitragem. Nesta conversa os convidados exploram qual o contributo que a Optometria e as Ciências da Visão podem dar para a excelência na arbitragem.
 
Dia 19 de junho de 2014, 21h30, FNAC Braga
"O Físico no mundo do trabalho"
Intervenientes: Luís Rebouta (Departamento de Física, Escola de Ciências da Universidade do Minho) e Graça Minas (Departamento de Electrónica Industrial, Escola de Engenharia da Universidade do Minho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Existe um desconhecimento da sociedade a respeito dos físicos e das suas potencialidades para actuar nos mais diversos sectores da economia. Embora, muitos potenciais empregadores desconheçam essas potencialidades, estudos recentes solicitados pela sociedade europeia da Física mostram que os Físicos têm um grande impacto na economia da Europa. Este estudo mostra que os Físicos podem formar equipas competitivas com Engenheiros, e trabalhar nas mais variadas áreas da Engenharia. Nesta acção, serão debatidas as possíveis razões do referido desconhecimento, assim como as ligações entre a Física e a Engenharia e o papel dos Físicos na indústria.
 
Dia 15 de maio de 2014, 21h30, FNAC Braga
""Novos trilhos” na luta contra o cancro"
Intervenientes: Ana Preto (Departamento de Biologia, CBMA, Escola de Ciências da Universidade do Minho) e Sara Mendes Moreira (Unidade de Psiquiatria de Ligação do Centro Hospitalar do Porto, Hospital Geral de Santo António).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
O cancro é uma doença cuja incidência e prevalência tem vindo a aumentar. Todos os dias ouvimos notícias sobre o aumento do número de casos. Ao longo da nossa vida somos confrontados direta ou indiretamente com a temida doença que pode ter afetado um familiar, um amigo ou até um de nós. De facto, a probabilidade de alguém contrair cancro durante a vida, cada vez mais longa e sujeita a diferentes fontes de stresse, é enorme. Por outro lado, os rastreios, diagnósticos precoces e as novas terapêuticas têm contribuído com avanços significativos no tratamento de várias formas de cancro e contribuído para o aumento de sobrevida dos doentes. O cancro é cada vez mais uma doença da civilização, como muitas outras, cuja prevenção, rastreio e tratamento está ao alcance de todos. A ciência e tecnologia dão-nos as ferramentas de diagnóstico e tratamento da doença; a Psico-Oncologia, focando-se nos aspetos psicológicos dos doentes com cancro e suas famílias em todo o percurso da doença, contribui para uma diminuição do sofrimento emocional e possibilita uma melhor qualidade de vida. A importância das intervenções psicológicas nos doentes com cancro aumentou significativamente com o aumento da esperança de vida proporcionada pelos avanços da medicina. O tratamento é, cada vez mais, da pessoa doente e, não apenas, da doença.
 
Dia 20 de março de 2014, 21h30, FNAC Braga
"Da modelação Matemática à simulação numérica"
Intervenientes: Luís Stéphane Clain (Departamento de Matemática e Aplicações, Escola de Ciências da UMinho) e Gaspar J. Machado (Departamento de Matemática e Aplicações, Escola de Ciências da UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Qual a relação entre a Pascalina e um Petaflop? E entre Euler e Zienkiewicz? E entre um robô de cozinha e o A380? E entre ...
 
Dia 20 de fevereiro de 2014, 21h30, FNAC Braga
"Ver o Invisível: Utilização da geofísica e das neociências - Da arqueologia às ciências forenses"
Intervenientes: Luís Gonçalves (Departamento de Ciências da Terra da Escola de Ciências da Universidade do Minho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
A possibilidade de detectar objectos, ou estruturas, de uma forma remota ou através de superfícies opacas, fascinou a Humanidade durante séculos. A existência de um aparelho, ou uma metodologia, que permita visualizar de uma forma clara o subsolo e o que nele se encontra é uma ideia tão atractiva e fascinante que levou ao empenho de muitos cientistas e engenheiros na tentativa de criar tais aparelhos e metodologias de exploração. Essa possibilidade de ver para além da superfície do solo, ou para dentro de uma parede, é tão fascinante que, para além da comunidade científica, inspirou a imaginação de muitos escritores e argumentistas de filmes de ficção científica.
Por muito fascinante que seja a ideia de um aparelho que consiga fornecer uma resposta completa sobre o que jaz sob os nossos pés, tal equipamento não se encontra ainda disponível. No entanto, as metodologias geofísicas de prospecção (sísmica, electromagnética, resistividade eléctrica, condutividade eléctrica, polarização induzida, magnetometria, gravimetria, radiometria, termometria), isoladamente ou combinadas entre si, têm-se mostrado extremamente úteis na obtenção de parte das respostas que procuramos. A utilização destas ferramentas, nas mãos de especialistas, possibilita de forma segura e não invasiva o estudo do subsolo, melhorando significativamente a eficiência do trabalho exploratório que é fundamental em áreas como a geologia ambiental, geologia de engenharia, construção civil, detecção de minas, investigação criminal e forense, prospecção geológica, sedimentologia e estratigrafia, pedologia, geomorfologia aplicada, hidrogeologia, glaciologia e na prospecção arqueológica.
 
Dia 30 de janeiro de 2014, 21h30, FNAC Braga
"Investigação Multidisciplinar nas Ciências da Visão"
Intervenientes: José Manuel González-Méijome (Departamento e Centro de Física da Escola de Ciências da Universidade do Minho) e José Salgado Borges (Chefe do Serviço e Departamento de Oftalmologia no Hospital Escola da Universidade Fernando Pessoa).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Os problemas da visão são muito comúns e a investigação relacionada envolve frequentemnte equipas multidisciplinares de optometristas, oftalmologistas, físicos, neurocientistas ou engenheiros entre outros. No Centro de Fìsica da Escola de Ciências da Universidade do Minho realiza-se investigação em diversas áreas relacionadas com a visão desde há mais de 20 anos. Atualmente o Grupo de Óptica e Ciências da Visão apresenta-se como um grupo que apesar da sua reduzida dimensão é responsável por um vasto volume de publicações neste campo, tendo aumentado exponencialmente nos últimos 10 anos em resultado dos programas de pós-graduação (mestrado e doutoramento) que se desenvolvem e da interação com outros grupos em Portugal e no estrangeiro. Esta tertúlia reflicte esse mesmo caráter multidisciplinar cobrindo duas das principais áreas nas ciências da visão, a oftalmologia e a optometria. A tertúlia visa sensibilizar a população para problemas de visão bastante frequentes como é o caso da miopia. Pretende-se mostrar quais as suas causas, consequências e tratamentos disponíveis. Será realizada uma abordagem multidisciplinar e atualizada sobre os últimos avanços no tratamento da progressão da miopia e outras anomalías do sistema visual. Serão discutidos resultados de projetos a serem realizados na Universidade do Minho de forma autónoma ou em articulação com outros centros e empresas internacionais. O nosso convidado externo, Professor Salgado-Borges dará uma visão ainda mais abrangente sobre as patologias oculares relacionadas com a miopia bem como dos seus tratamentos médico-cirúrgicos.
 
Dia 21 de novembro de 2013, 21h30, FNAC Braga
"Árvores portuguesas: um património natural na economia nacional"
Intervenientes: Teresa Lino Neto (Departamento de Biologia da Escola de Ciências da Universidade do Minho) e Paula Baptista (Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Bragança).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
As árvores são uma fonte importante de diversidade biológica pois sustentam uma enorme variedade de formas de vida. Algumas das nossas espécies, autóctones ou naturalizadas, têm reconhecido valor económico, como as fruteiras, as utilizadas na indústria da madeira e pasta de papel e, talvez a mais emblemática, o sobreiro, espécie instituída árvore nacional em 2011. Numa altura em que tanto se fala do relançamento da economia portuguesa e dum novo olhar para a agricultura e silvicultura nesse contexto, vamos tentar perceber o que é que o sobreiro e o castanheiro têm para "contar aos ministros".
 
Dia 17 de outubro de 2013, 21h30, FNAC Braga
"Efemérides Bioquímicas em 2013 - dos enzimas ao DNA"
Intervenientes:João Carlos Marcos (Director do Mestrado em Bioquímica Aplicada, Escola de Ciências da Universidade do Minho) e Miguel Castanho (Prof. Catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
A Bioquímica é a ciência que estuda a vida a nível molecular tendo desenvolvido as suas bases fundamentais durante o século vinte. Curiosamente este ano comemoram-se vários aniversários redondos de importantes marcos para esta ciência. O mais emblemático são os 100 anos da publicação do artigo contendo a expressão matemática que define quantitativamente o modo de ação dos enzimas. A chamada equação de Michaelis-Menten teve e continua ter uma importância fundamental no desenvolvimento da Bioquímica devido ao papel central que os enzimas desempenham em todos os processos bioquímicos. Aliás apesar de ser um artigo com muitos anos continua a ser muito citado em trabalhos recentes. Outro marco talvez mais conhecido é a determinação da estrutura da dupla hélice do DNA em 1953. Sessenta anos depois é inquestionável a importância que esta descoberta teve na compreensão das bases moleculares da transmissão e expressão da informação genética nos seres vivos
Mas também se comemoram estes ano os cinquenta anos da identificação de proteínas (em particular alguns enzimas) cuja a estrutura pode ser alterada pela ligação de pequena moléculas modificando a sua atividade biológica. Estas proteínas denominadas alostéreas desempenham um papel central na regulação de todos os processos bioquímicos. Nomeadamente a nível do conjunto de reações químicas que ocorrem nos seres vivos o chamado metabolismo. A denominada teoria do controlo metabólico foi desenvolvida à quarenta anos e expressa matematicamente a relação entre a atividade biológica dos enzimas e o fluxo de compostos químicos (metabolitos) ao longo das várias transformações (vias metabólicas) que ocorrem na célula. A aplicação desta teoria permite desenvolver modelos do funcionamento celular.
Por último à trinta anos foi introduzida uma metodologia laboratorial que permite replicar moléculas de DNA num tubo de ensaio ultrapassando assim as limitações inerentes ao estudo de amostras contendo reduzidas quantidades desta molécula. Mas as aplicações da denominada reação em cadeia da polimerares (PCR do inglês "Polymerase chain reaction") são muito mais amplas e revolucionaram os procedimentos laboratoriais relacionados com a manipulação do DNA.
Nesta tertúlia pretende-se discutir a relação entre todos estes marcos e a sua importância para o desenvolvimento da Bioquímica, assim como as suas implicações em áreas mais aplicadas como a saúde, a indústria e a agricultura e consequentemente na vida de todos nós.
 
Dia 18 de julho de 2013, 21h30, FNAC Braga
"Uma conversa sobre música, análise e composição"
Intervenientes: Ana Pereira do Vale (Departamento de Matemática e Aplicações da Escola de Ciências da Universidade do Minho) e Paulo Bastos (Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga e Companhia da Música em Braga, Compositor).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
O propósito deste evento, partindo do "sonho" de uma teoria universal da harmonia de Costère, será a troca aberta de ideias sobre música, números, análise e composição. Serão abordadas questões geométricas e música, relações intervalares e suas projeções espaciais, gestos musicais e consequentes interpretações destes, quer no domínio do "saber" sensorial, quer no campo dos mecanismos puramente racionais.
 
Dia 20 de junho de 2013, 21h30, FNAC Braga
"Águas termais, termas e spa: entre os mitos e a realidade"
Intervenientes: Alberto Lima (Departamento de Ciências da Terra da Escola de Ciências da UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
A utilização das águas termais pelo Homem remonta provavelmente à origem da própria humanidade, mas terão sido os romanos e os gregos os povos que mais se dedicaram ao culto deste tipo de águas. Entre as suas diversas singularidades, a temperatura elevada destas águas não terá passado despercebida às diferentes comunidades, as quais, de forma mais ou menos engenhosa, souberam tirar partido das suas propriedades. Contudo, é ao nível terapêutico que as águas termais encontram maiores referências ao longo da História, chegando a ser consideradas como a única forma de medicina disponível.
Os povos antigos desenvolveram elaboradas mitologias sobre a origem das águas termais, muitas delas ainda bem enraizadas nos dias de hoje. À luz do conhecimento atual, estas águas são de origem meteórica e as suas peculiaridades resultam de uma circulação profunda na crosta terrestre e um longo tempo de permanência no meio subterrâneo, que as transformam em verdadeiros ecossistemas com propriedades únicas.
Os termos "águas termais", "termas" e "spa" são hoje utilizados de uma forma pouco rigorosa. De facto, enquanto os dois primeiros se referem a ocorrências e locais mais ou menos circunscritos, o termo "spa" parece dizer respeito a qualquer atividade que, de algum modo, contribua para o bem-estar pessoal. Assim, tem-se assistido nos últimos anos a uma proliferação de espaços autodenominados "spas", muitas vezes conotados com a atividade termal, mas em nada configurando algo que lhe seja próximo.
Visto tradicionalmente como um recurso terapêutico da faixa sénior da sociedade, o termalismo tem vindo a adquirir um estatuto mais amplo, sendo hoje entendido como uma atividade com elevado potencial nos domínios da prevenção, terapêutica, reabilitação e bem-estar, abrangendo assim todas os níveis da estrutura etária das populações.
Estudos recentes têm mostrado que tal vasto potencial não está ainda devidamente avaliado nem fundamentado, admitindo-se no entanto que uma das principais vantagens das águas termais possa residir no seu poder antioxidante.
 
Dia 16 de maio de 2013, 21h30, FNAC Braga
"Retalhos de 20 anos de investigação em físicaXI"
Intervenientes: Nuno Peres (Departamento de Física da Escola de Ciências da UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
"Falaremos da minha experiência pessoal sobre investigação em física. Começaremos com os primeiros passos enquanto estudante de licenciatura e terminaremos com os últimos 7 anos dedicados à física do grafeno. Também tocaremos como é que a investigação em física se articula com a vida quotidiana e familiar."
 
Dia 16 de abril de 2013, 21h30, FNAC Braga
"As espécies também têm um código de barras? Visita falada a um Museu de História Natural no século XXI"
Intervenientes: Maria Judite Alves (Museu Nacional de História Natural e da Ciência da ULisboa) e Filipe Costa (Departamento de Biologia da Escola de Ciências da UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Os Museus de História Natural são hoje "bibliotecas" dinâmicas, arquivando a biodiversidade de formas tecnologicamente sofisticadas permitindo aos investigadores de todo o mundo estudá-la nas suas múltiplas vertentes. As espécies são identificadas com códigos de barras de DNA, constroem-se bancos de tecidos que possibilitam o acesso à informação genómica dos organismos, compilam-se imagens e até registos audio de organismos e paisagens. Acompanhe-nos numa viagem fascinante aos bastidores de um Museu de História Natural do século XXI.
 
Dia 21 de março de 2013, 21h30, FNAC Braga
"Diálogo entre a Química e a Arqueologia: Os bens de consumo na época Romana"
Intervenientes: Rui Manuel Morais (Departamento de História, Instituto de Ciências Sociais da UMinho), Helena Granja (Departamento de Ciências da Terra, Escola de Ciências da UMinho) e César Oliveira (Centro de Química, Escola de Ciências da UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Tomando como ponto de partida o recente Simpósio "O Irado Mar Atlântico - O Naufrágio Bético Augustano de Esposende (Norte de Portugal)", cujo livro de actas foi editado pelo CECH - Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, pretende-se fazer uma viagem ao passado, recuando cerca de dois milénios no tempo, revisitando os hábitos de consumo da época Romana e procurando-se demonstrar quanto importante se revelam as técnicas e os métodos que a Química Analítica pode disponibillizar no trabalho de pesquisa Arqueológica.
 
Dia 21 de fevereiro de 2013, 21h30, FNAC Braga
"Somos todos Normais?"
Intervenientes: Pedro Campos (LIAAD INESC TEC, Faculdade de Economia da UPorto e Instituto Nacional de Estatística) e Inês Sousa (Departamento de Matemática e Aplicações da Escola de Ciências da UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Numa altura em que a Terra já ultrapassou os 7 mil milhões de habitantes, continuamos a ser muito diferentes. No entanto, estamos cada vez mais parecidos: vestimos o mesmo tipo de roupas, compramos os mesmos carros, comemos cada vez mais a mesma comida e usamos as mesmas redes sociais. Os hábitos são globais. E nós, sendo tantos, somos Normais? O que significa ser Normal? Esta tertúlia baseia-se no conceito de população Normal, inventado por Gauss (1777-1855) e no impacto que esse conceito tem nas nossas vidas. Além disso, sendo 2013 o Ano Internacional da Estatística, faz-se uma abordagem geral das várias iniciativas visando a divulgação da estatística e a promoção da literacia estatística que estão em curso.
 
Dia 13 de dezembro de 2012, 21h30, FNAC Braga
"Portugal, um País rico de minas pobres"
Intervenientes: Carlos Leal Gomes (Departamento de Ciências da Terra, Escola de Ciências da Universidade do Minho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Numa panorâmica rápida sobre os recursos minerais de Portugal sobressai um padrão de contrastes, com algumas ocorrências de interesse mundial, mas essencialmente caracterizado por pequenas jazidas com interesse potencial reduzido. O ordenamento e gestão do território têm negligenciado a possibilidade de viabilização efetiva destas jazidas.
O quadro atual de valorização mundial de matérias-primas minerais exige que se considere um contexto económico alargado para lá dos limites da União Europeia.
Assim, vários temas de debate se tornam atuais:
1) Capacidade de implantação de empresas portuguesas do sector extrativo além-fronteiras;
2) O empreendedorismo no sector extrativo nacional de pequena escala;
3) A abertura a investidores externos e a grandes financiamentos para prospeção;
4) A funcionalidade e a atratibilidade da legislação portuguesa para eventuais investidores;
5) A empregabilidade jovem e de consultores séniores no sector extrativo;
6) O quadro global de gestão de recursos e o papel de Portugal;
7) Limitações e fraquezas da gestão de recursos naturais no que concerne aos recursos geológicos;
8) As disfunções do ajuste da produção mineira nacional aos ciclos de demanda mundial - oportunidades mal aproveitadas.
 
Dia 28 de novembro de 2012, 21h30, FNAC Braga
Lançamento do livro "conversas com ciência - Tertúlias FNACiência"
Compilação de textos decorrentes do primeiro ciclo de Tertúlias FNACiência, organizadas pela Escola de Ciências da UMinho em parceria com a FNAC de Braga.
Apresentação a cargo de Paula Nogueira, moderadora das tertúlias, com a presença de alguns dos autores do livro.
 
Dia 22 de novembro de 2012, 21h30, FNAC Braga
"A visão das cores - comos e porquês"
Intervenientes: Sérgio Nascimento (Dep. de Física, Escola de Ciências da UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Ver cores é uma das particularidades da visão humana e de muitos dos animais que conhecemos. É apenas umas das habilidades do nosso sistema visual que permite distinguir e identificar mais facilmente os objetos mas, acima de tudo, ver o mundo mais bonito. Porque vemos cores? Quantas cores vemos? Como veem os daltónicos? Discutiremos estes e outros comos e porquês da visão das cores e faremos incursões noutros aspetos igualmente fascinantes da nossa visão.
 
Dia 18 de outubro de 2012, 21h30, FNAC Braga
"Como a Genética nos pode ajudar a compreender a história e evolução humanas"
Intervenientes: Luísa Pereira (IPATIMUP, Porto), Cândida Lucas (Departamento de Biologia, Escola de Ciências da UMinho).
Resumo:
Tendo como ponto de partida o livro "O Património Genético Português. A história humana preservada nos genes", de que Luisa Pereira é autora, será discutido como os mais recentes avanços na área da genética têm contribuído para o conhecimento das origens e migrações humanas no passado.
 
Dia 12 de julho de 2012, 21h30, FNAC Braga
"2012 - Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos"
Intervenientes: Senentxu Lanceros Mendez (Dep. de Física, Escola de Ciências da UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
"Energia" é umas das palavras mais recorrentemente falada no nosso dia a dia relacionada tanto com o âmbito económico como o ambiente. Da relação da energia com cada um destes âmbitos, assim como da relação entre eles, surge, cada vez com mais força, o conceito da sustentabilidade. Nesta tertúlia falaremos de energia, de desenvolvimento, de impacto ambiental... y muita, muitas, vezes ... de sustentabilidade. Falaremos do passado, do presente... e tentaremos antever as opções que, entre todos, deveremos tomar para ter um futuro mais... sustentável para todos.
 
Dia 21 de junho de 2012, 21h30, FNAC Braga
"Quo Vadis Bioquímica?"
Intervenientes: Daniela Vaz (Presidente da Associação Nacional de Bioquímicos), Roxana Moreira (Membro da direção da Sociedade Portuguesa de Bioquímica).
Moderação por: Marina Silva (aluna do 3º ano da Licenciatura em Bioquímica), João Carlos Marcos (Diretor de curso da Licenciatura em Bioquímica).
Resumo:
A Bioquímica é uma ciência com mais de cem anos estando o seu nascimento associado à descoberta dos irmãos Buchner em 1896 de que extratos de levedura livres de células eram capazes de realizar a fermentação da glucose. Além de provar que as reações que ocorrem nos seres vivos podem também ocorrer fora destes, esta descoberta abriu a possibilidade de se estudarem estas reações no laboratório. De facto, durante a primeira metade do século passado, foram identificadas e caracterizadas as principais vias metabólicas que sustentam a vida, sendo também identificada a natureza química das várias macromoléculas biológicas. A estrutura destas moléculas e a sua relação com a função e a regulação das vias metabólicas começaram a ser elucidadas na segunda metade do século passado e simultaneamente foram também identificadas as bases moleculares da transmissão e expressão genética abrindo caminho para as técnicas de manipulação genética. Atualmente já muito se sabe sobre a vida a nível molecular, existindo no entanto ainda muito por descobrir. Este conhecimento fundamental permitiu também o desenvolvimento de várias aplicações em áreas tão variadas como a Saúde, a Indústria, o Ambiente e a Energia. Neste debate pretende-se discutir os principais desafios que se colocam atualmente à Bioquímica assim como as perspetivas de emprego para os jovens licenciados em Bioquímica.
 
Dia 31 de maio de 2012, 21h30, FNAC Braga
"Matemática e Arte"
Intervenientes: Helena Mena Matos (Dep. de Matemática, UPorto), Paula Mendes Martins (Dep. de Matemática e Aplicações, Escola de Ciências da UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
À primeira vista, Matemática e Arte parecem ser dois conceitos disjuntos, mas, na realidade, Matemática e Arte são dois mundos que coexistem e se inspiram mutuamente. Há artistas, como da Vinci ou Escher, que sentiram necessidade de adquirir e desenvolver conhecimentos matemáticos para evolucionar a sua visão artística. E há matemáticos (e cientistas da computação) que, atendendo às qualidades estéticas da Matemática, exprimem os seus sentimentos não só provando teoremas mas também produzindo arte.
 
Dia 18 de abril de 2012, 21h30, FNAC Braga
"Turing e a Visão Computacional da Mente e do Mundo - a sua actualidade"
Intervenientes: Luís Moniz Pereira (Universidade Nova de Lisboa), Manuel Curado (Universidade do Minho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Poucos cientistas dos século XX influenciaram tanto a sociedade em que vivemos como o matemático inglês Alan Turing, cujo centenário do nascimento se celebra em 2012. Se nos anos 1930 Turing determinou os limites algorítmicos da computabilidade quando definida por um mecanismo, nos anos 1950 profetizou que as máquinas um dia competiriam com os homens em todos os campos puramente intelectuais. Propomos uma conversa a partir desta profecia, para discutir a visão computacional do mundo.
 
Dia 15 de março de 2012, 21h30, FNAC Braga
"Dinâmica climática e riscos naturais - Tema atual ou intemporal?"
Intervenientes: Renato Henriques (Escola de Ciências da UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
A Terra é um planeta muito dinâmico, apresentando vários processos tais como a atividade tectónica, o fluxo de grandes quantidades de água, que alternam entre os três estados físicos, e uma atmosfera relativamente ativa, na qual se desenvolvem fenómenos meteorológicos muito energéticos. A superfície terrestre tem sido ?moldada? por estes processos, que envolvem energia, a modificação das características físico-químicas de materiais e/ou a sua mobilização.
As alterações climáticas são um dos temas mais discutidos na atualidade. O aumento da temperatura média global do planeta nas últimas décadas é um facto que é dado como "inegável" e potencialmente preocupante.
Sendo a dinâmica climática geradora de riscos naturais, o que podemos aprender com o passado?
 
Dia 16 de fevereiro de 2012, 21h30, FNAC Braga
"Bactérias do nosso quotidiano: de aliados fiéis a temíveis inimigos"
Intervenientes: Célia Manaia (Escola Superior de Biotecnologia do Porto, Universidade Católica Portuguesa), Célia Pais (Escola de Ciências da UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Tendo como ponto de partida as notícias recentes sobre a bactéria Escherichia coli e o seu envolvimento num surto de infecções provocadas pela ingestão de alimentos contaminados, na Alemanha, vamos contar algumas histórias de bactérias e do papel que desempenham na nossa saúde e bem estar.
 
Dia 19 de janeiro de 2012, 21h30, FNAC Braga
"Química: Uma luz na escuridão"
Intervenientes: Jorge Calado (Instituto Superior Técnico), João Paulo André (Escola de Ciências da UMinho), Carlos J. R. Silva (Escola de Ciências da UMinho).
Resumo:
Tendo como ponto de partida a recente obra "Haja Luz! - Uma história da Química através de tudo", o Professor Jorge Calado discorreu sobre temas desde a ciência à música e à arte.
 
Dia 24 de novembro de 2011, 21h30, FNAC Braga
"Um olhar sobre a Física de Partículas e a Experiência ATLAS do CERN"
Intervenientes: António Onofre (Escola de Ciências da UMinho), Nuno Castro (LIP-Minho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Nesta tertúlia abordam-se alguns temas atuais da Física de Partículas e de como a experiência ATLAS, em funcionamento no CERN (European Organization for Nuclear Research), em Genebra, contribui para o conhecimento atual das partículas fundamentais que constituem o nosso Universo e das interações entre elas.
 
Dia 16 de Junho de 2011, 21h00, FNAC Braga
"Florestas terrestres e Florestas marinhas"
Intervenientes: Ester Serrão (UAlgarve); Jorge Paiva (UCoimbra); Leonel Pereira (UCoimbra).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Estamos no Ano Internacional das Florestas, a Assembleia-Geral das Nações Unidas declarou esta década 2011-2020, como a Década da Biodiversidade, tendo ainda criado a Plataforma Intergovernamental sobre a Biodiversidade e Serviços dos Ecossistemas, ... mas que significam estas celebrações e quais os seus objectivos? O que é preciso saber? O que é urgente mudar?
Já muito se falou sobre florestas - e entretanto muito delas ardeu, cresceu, e voltou a arder -, mas a sensação que pouco se consegue avançar na sua gestão e preservação mantém-se. E há muito mais florestas do que aquelas que ’vemos’; estas não ardem mas são igualmente preciosas.
Que florestas temos, afinal? E que valor têm? Que serviços prestam? Que produtos nos emprestam? Estas são apenas algumas das muitas questões que serão abordadas nesta tertúlia e algumas respostas serão no mínimo reveladoras.
 
Dia 2 de Junho de 2011, 21h00, FNAC Guimarães
"Biofármacos: Desafios e Limitações"
Intervenientes: Pedro Oliveira (Centro de Engenharia Biológica e Química, IST, Lisboa), João Carlos Marcos (Escola de Ciências, UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Os fármacos desempenham um papel muito importante na vida moderna permitindo a cura ou pelo menos o alivio de diversas patologias que afectam os seres humanos. São na sua grande maioria pequenas moléculas orgânicas sintetizadas em laboratório que apresentam características terapêuticas. Mais recentemente começaram também a ser utilizadas moléculas mais complexas de origem biológica, como proteínas e ácidos nucleicos, os denominados biofármacos. O caso mais conhecido é o da insulina que começou por ser administrada a doentes com diabetes, na forma impura como extractos de pâncreas bovinos ou suínos nos anos 20 do século passado. Contudo apenas a introdução das técnicas de manipulação genética 50 anos mais tarde permitiu a produção de insulina humana em bactérias eliminando os anteriores problemas de disponibilidade e compatibilidade. A utilização destas metodologias permitiu nos últimos 30 anos a comercialização de outros biofármacos como hormonas, vacinas e anticorpos. Vários biofármacos baseados em ácidos nucleicos estão também nas últimas fases de testes clínicos e prevê-se o inicio da sua comercialização nos próximos cinco anos. Apesar dos biofármacos apresentarem algumas vantagens relativamente aos fármacos convencionais, como a maior especificidade e eficácia, possuem actualmente ainda alguma limitações, nomeadamente ao nível da sua produção, administração e estabilidade.
Nesta tertúlia serão abordados os diferentes tipos de biofármacos já existentes no mercado ou em vias de comercialização e as suas diferenças relativamente aos fármacos tradicionais. Serão também discutidos os problemas que se colocam á sua mais ampla aplicação e as perspectivas futuras para os solucionar.
 
Dia 12 de Maio de 2011, 21h00, FNAC Braga
"Viagem ao Espaço"
Intervenientes: Isabel Pessôa-Lopes (Analista de riscos relacionados com foguetões e satélites); Gueorgui Smirnov (Escola de Ciências, UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Na passagem dos 50 anos do primeiro voo espacial tripulado (Yuri Gagarin, na Vostok 1, em 12 de Abril de 1961), a Humanidade relembra o tempo que levou o Homem à Lua e abriu novas perspectivas sobre o seu lugar no Universo.
O impacto da tecnologia espacial na nossa vida diária é estrondoso e muitas das descobertas espaciais, desenvolvidas com intuito de levar o Homem para o Espaço acabaram por beneficiar a sua vida ?na Terra. Do GPS à gestão de informação via satélite, da tecnologia alimentar à saúde, muitos dos objectos que usamos correntemente resultaram de necessidades de programação espacial.
Nesta tertúlia os intervenientes discutirão com a assistência a evolução do conhecimento científico sobre o Espaço sem esquecer temas com as Viagens espaciais, o Lixo Espacial e a Indústria Espacial Portuguesa.
 
Dia 21 de Abril de 2011, 21h00, FNAC Braga
"Modelos Matemáticos da Hematopoiese, dos ratinhos aos Elefantes, e o papel da Matemática nas Ciências da Saúde"
Intervenientes: Jorge M. Pacheco (Escola de Ciências, UMinho); Domingos Henrique (Faculdade de Medicina, ULisboa).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Há 50 anos atrás, Hayflick lançou a hipótese de que as células de um organismo só se poderiam replicar um número limitado de vezes. Hipóteses como esta abundam nas Ciências Biológicas, onde ainda persiste a ideia de que o contributo que a matemática lhes pode dar é diminuto. E, no entanto, recorrendo à matemática, associada às muitas descobertas feitas recentemente, é possível formalizar esta hipótese de Hayflick de uma forma mais abrangente, prevendo-se que um mesmo tipo de célula divide o mesmo número de vezes durante o tempo de vida de um ratinho, 2 anos e meio, ou de um elefante, cerca de 70 anos. E quando comparamos esses números com os nossos, a matemática mostra-nos de forma inequívoca o nosso sucesso enquanto espécie: vivemos muito para além daquilo para que estamos biologicamente programados. Estes e outros resultados matemáticos, as suas implicações nas ciências da saúde, bem como o contributo que a matemática pode dar a esta área do conhecimento, constituirão o mote para a presente tertúlia.
 
Dia 14 de Abril de 2011, 21h00, FNAC Guimarães
"Zona costeira: desafios e questões num espaço-tempo de mudança"
Intervenientes: Fernando Veloso-Comes (Faculdade de Engenharia, UPorto), Helena Granja (Escola de Ciências, UMinho).
Moderação por: José Vieira (Departamento de Engenharia Civil, UMinho).
Resumo:
A zona costeira, na interface continente-oceano, é intrinsecamente dinâmica, movendo-se e mudando no espaço e no tempo. Ao mesmo tempo, é uma zona extraordinariamente apelativa, que tem vindo a ser progressivamente ocupada de um modo caótico e descontrolado. A pressão antrópica foi aumentando e as construções surgiram um pouco por toda a zona costeira, especialmente a partir da segunda metade do século XX.
A construção, muito próxima ou, mesmo, na faixa costeira (praia+duna/arriba), sendo estática, contraria o dinamismo natural desta zona, impedindo a sua mobilidade e os necessários ajustes face à actuação dos agentes que nela intervêm. Atendendo à tendência generalizada de erosão na zona costeira, a qual se manifesta por perda de areia das praias, migração destas para o interior e recuo das arribas, as construções ficam em risco, obrigando à sua defesa com obras de engenharia as quais, ao proporcionarem benefícios a alguns, vão contribuir para o agravamento dos problemas de outros. Tais factos potenciam uma situação de insustentabilidade a qual, apesar dos mecanismos legais existentes, não tem sido evitada.
Através de alguns exemplos paradigmáticos da zona costeira do noroeste de Portugal, serão apresentadas algumas das questões e problemas que presentemente se levantam, cuja resolução exige, cada vez mais, respostas ousadas e controversas que constituem novos desafios para gestores e políticos responsáveis pela sua gestão.
 
Dia 17 de Março de 2011, 21h00, FNAC Braga
"Códigos do direito e da vida"
Intervenientes: Mário Ferreira Monte (Escola de Direito, UMinho); Margarida Casal (Escola de Ciências, UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Quando os avanços da Biologia mexem com os códigos estabelecidos e põem em causa liberdades individuais, o que é que a lei tem para dizer? A clonagem da famosa ovelha Dolly trouxe para cima da mesa a possibilidade da clonagem humana mas trouxe também enormes avanços no campo do envelhecimento celular. Hoje, a possibilidade da descodificação do genoma de cada um de nós abriu, pela primeira vez, a possibilidade de ousar espreitar para o nosso próprio futuro. Será que ousamos?...
 
Dia 24 de Fevereiro de 2011, 21h00, FNAC Guimarães
"Células solares, energia fotovoltaica e sustentabilidade energética"
Intervenientes: Pedro Alpuim (Escola de Ciências, UMinho); Engº Raul Cunha (DST Renováveis).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Durante o ano de 2010 o mercado global fotovoltaico (PV) cresceu a uma taxa nunca antes vista de 52%, tendo a potência global acumulada de instalações PV atingido os 35 GW (o equivalente a 23 centrais térmicas de produção de electricidade). Num contexto de subida acentuada do preço do petróleo, de crise política no Médio Oriente, de agravamento dos preços globais dos alimentos devido ao aquecimento global, objectivos como o 20-20-20 da Comissão Europeia são cada vez mais prementes. Este objectivo traduzir-se-ia numa redução das emissões de gases de efeito de estufa para níveis 20% abaixo do valor de 1990; numa contribuição de 20% das renováveis no consumo energético da EU; e numa redução de 20% do consumo de energia primária da EU. Será que estamos preparados para o atingir? Qual deverá ser o papel do Sol no mix do consumo energético primário da humanidade futura?
 
Dia 17 de Fevereiro de 2011, 21h00, FNAC Braga
"Conservar 4 600 000 000 de anos de história da Terra: uma missão impossível?"
Interveniente: José Brilha (Escola de Ciências, UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
A longuíssima história do nosso planeta está escrita numa linguagem difícil e compreendida apenas por uma pequena percentagem da população. Por essa razão, os geólogos são habitualmente vistos como indivíduos um pouco estranhos, que usam termos complicados e que se dedicam a estudar rochas e minerais que pouco interesse têm para a sociedade. Nesta tertúlia, vamos tentar desfazer essa imagem e perceber que todos estamos reféns do conhecimento produzido pelos geólogos.
 
Dia 20 de Janeiro de 2011, 21h30, FNAC Braga
"O Ano Internacional da Química - Uma oportunidade de reflexão sobre a imagem da Química em Portugal e no Mundo"
Intervenientes: Raquel Gonçalves Maia (Fac. Ciências, ULisboa), Hernâni Maia (Escola de Ciências, UMinho), João Paulo André (Escola de Ciências, UMinho).
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).
Resumo:
Quando está prestes a iniciar-se oficialmente a comemoração do Ano Internacional da Química este é o momento oportuno para se reflectir sobre o que é a Química e qual foi a sua contribuição para a evolução da nossa civilização.
Quanto do bem estar que presentemente usufruímos advém da contribuição da Química: os têxteis, os fertilizantes, os materiais plásticos, os medicamentos, são alguns desses exemplos.
Quantas das vezes o termo "químico" surge nas noticias associado a desastres e como tem actuado a Química para sarar os erros cometidos e contribuído para um mais eficiente uso das matérias-primas?
É urgente actualizar o retrato público da Química, pois é inegável que o mundo necessita cada vez mais da Química e de Químicos, em frutuosa interdisciplinaridade, porque a economia e o bem estar mundial muito dela dependem!
 
Dia 16 de Dezembro de 2010, 21h30, FNAC Braga
"Nanotecnologia - Afinal para que serve?"
Intervenientes: Carlos Tavares do Dep. De Física da UMinho e Adélio Mendes da Fac. de Engenharia da UPorto..
Moderação por: Paula Nogueira (Doutoranda de Ciências da Comunicação).